Genética e Alimentação Parte 4


 

Pacientes com doenças crônicas ou com um histórico familiar de doença crônica, pessoas preocupadas com doenças relacionadas à idade e empenhadas em manter a boa saúde podem se beneficiar da evidência acumulada sobre a importância da qualidade do sono, exercícios, consumo de alimentos saudáveis (integrais, vegetais, frutas), redução do consumo de açúcar e alimentos altamente processados, a manutenção da saúde da flora intestinal (com o auxílio de probióticos e prebióticos, por exemplo), redução da carga tóxica, manejo do estresse, suplementos específicos e, agora com mais uma ferramenta, o conhecimento da sua genotipagem.

Enquanto os estudos da nutrigenética e nutrigenômica avançam, uma grande lição é a importância da conscientização de como sentimos após as refeições. A observação das respostas corporais e mesmo emocionais ao alimento que ingerimos. Se, após algumas refeições você se sentir inchado, com mal estar, palpitação ou falta de energia, observe qual o nutriente ou alimento que estava presente repetidamente.

Escute as respostas que seu corpo consegue sinalizar. Alie as informações a seu favor.

As ferramentas da medicina estão evoluindo e se integrando, e, cada vez mais, nos apontando que podemos influenciar o nosso destino genético e conquistar uma longevidade saudável.

Fonte: Essentia Pharma – Abril/17